A Catedral do Sangue Derramado ou Igreja da Ressurreição do Salvador sobre o Sangue Derramado é uma igreja ortodoxa russa de São Petersburgo, situada na margem do canal Griboedov próximo ao parque do Museu Russo e da Nevsky Prospekt. A igreja foi construída no local onde o Czar Alexandre II da Rússia foi assassinado, vítima de um atentado no dia 13 de março de 1881 (1 de março no calendário juliano, em vigor na época). Durante a Segunda Guerra Mundial e o cerco da cidade, uma bomba atingiu a cúpula mais alta da igreja. A bomba não explodiu e permaneceu encerrada na cúpula da igreja durante 19 anos. Somente quando os trabalhadores subiram à cúpula para reparar as goteiras, a bomba foi encontrada e retirada. Foi nessa altura que se decidiu começar o restauro da igreja do sangue derramado. Após 27 anos de obras de restauro, a igreja foi inaugurada como museu estatal, onde os visitantes podem conhecer a história do assassinato de Alexandre II.

A igreja foi desenhada conjuntamente pelo arquiteto Alfred Parland e pelo Arquimandrita Ignati (nome secular Mályshev), reitor do mosteiro Tróitse-Sérguievski. A construção da igreja iniciou-se em 1883 durante o reinado de Alexandre III, como um memorial ao seu pai assassinado dois anos antes nesse mesmo lugar . As obras prolongaram-se e foram finalizadas em 1907, sob o reinado de Nicolau II: As verbas necessárias provieram dos cofres da família imperial e de numerosas doações privadas.

No final de março de 1883, o czar aprovou a composição da comissão de consolidação com o Grão-Duque Vladimir Alexandrovich como o seu diretor. A primeira sessão da Comissão decidiu o nome da futura igreja como a Igreja da Ressurreição de Cristo, como sugerido pelo arquimandrita Ignati.

Um fragmento do corrimão de ferro fundido, pedaços de granito e algumas pedras manchadas de sangue de Alexandre II foram retirados do local para se preservarem como relíquias da capela na Praça de Konyúshennaya. Consequentemente, regressaram para onde pertenciam, e um pavilhão, como costumava fazer-se nas tradições da arquitetura antiga russa, foi edificado sobre o local. Em 6 de outubro de 1883, celebrou-se uma cerimónia para assinalar o lançamento da primeira pedra onde assistiram o metropolita Isidoro de São Petersburgo e Novgorod e os membros da família imperial.

A Igreja da Ressurreição demorou 24 anos a ser construída. Este intervalo de tempo relativamente longo pode ser atribuído à decoração abundante e diversificada, à construção em voga e a técnicas inovadoras de engenharia para a época. Uma fundação de estacas foi abandonada pela primeira vez na história de São Petersburgo, a favor de uma fundação de concreto. Um sofisticado isolamento hidráulico foi desenvolvido para proteger a igreja das águas do canal; o aquecimento a vapor e os sistemas elétricos foram instalados mais tarde.

A 19 de agosto de 1907, o metropolita António de São Petersburgo e Ladoga consagrou a igreja, e um novo templo surgiu no canal Griboedov para perpetuar a memória do imperador Alexandre II.

Igreja da Ressurreição é uma das igrejas mais emblemáticas de São Petersburgo. A sua composição vibrante, pictórica e a decoração policromática convertem-na num elemento de destaque e distintivo na arqrquitetura no contexto do centro da cidade. A Igreja de São Salvador pode ser corretamente chamada de um monumento em puro “estilo russo” em São Petersburgo. Conforme solicitado por Alexandre III, Alfred Parland desenhou a igreja em estilo do século XVIII na arquitetura de Moscovo e Iaroslavl. O mesmo, supostamente reelaborou as ideias da arquitetura eclesiástica da época pré-petrina para criar uma igreja que personifica o templo ortodoxo russo.

O plano da igreja é uma estrutura compacta de cinco cúpulas, que se completa com três absides semicirculares na parte este e com um enorme pilar como a torre-campanário no extremo oeste. A cobertura em pirâmide octogonal da torre ocupa a posição central. Este elemento tem uma estreita afinidade com uma série de igrejas monumentais comemorativas que datam do século XVI ao XVII.

A igreja é de tijolo vermelho e castanho, toda a superfície das suas paredes está coberta de adornos elaborados e detalhados, similares aos produzidos por mestres do século XVII em Moscovo e Iaroslavl. Bandas e cruzes de tijolo colorido, azulejos policromados aplicados nos vãos das paredes, “shirinka”, azulejos nos telhados das torres e coberturas piramidais, abside, pequenos arcos de calado, as colunas em miniatura e kokoshniki de mármore branco. Os mosaicos desempenham um papel importante na criação de um aspeto festivo da igreja acentuando os elementos arquitetónicos principais: kokoshniki, portas de dique, e frontões.

As cinco cúpulas centrais da igreja são únicas, revestidas de cobre e esmalte de diferentes cores, que recordam as cúpulas policromadas da sagrada Catedral de São Basílio em Moscovo, que frequentemente é comparada à Igreja da Ressurreição, apesar da total diferença da planimetria. As cúpulas menores em forma de cebola sobre as absides e a cúpula do campanário são, como é habitual, douradas.

O nível inferior da torre do campanário está decorado com 134 mosaicos de escudos de armas das províncias e comunidades russas que fizeram doações para a construção da igreja. Estes escudos de armas constituem uma coleção heráldica única.

A Igreja da Ressurreição de Cristo foi concebida como uma das principais igrejas da capital, desenhada para servir como un memorial das grandes façanhas realizadas pelo czar Alexandre II, o Libertador.

A decoração rica e diversa da igreja supunha-se corresponder à sua grande importância para a sua época. A cantaria tem um papel particularmente importante na criação da aparência majestosa e festiva da igreja. Ainda que o trabalho de pedra seja menos marcado no exterior do que na decoração interior, segue sendo bastante evidente.

Os pilares do pórtico são de granito cinza de Ust-Kamenogorsk. O arquiteto Parland usou a cor de pedras ornamentais que vieram de uma variedade de pedreiras russas e estrangeiras. Os artesãos exploraram habilmente a beleza natural e as peculiaridades da pedra para criar o interior que parece um museu de arte da cantaria.

O pavilhão, que marca o lugar do assassinato do imperador foi construído com pedras preciosas e decorativas dos montes Urais e da região das Montanhas Altai. Trata-se de uma estrutura arquitectónica complexa de quatro colunas violeta-acinzentadas de jaspe que suportam um entablamento com jarrões estilizados de jaspe nos cantos.

O piso de mármore é composto por 45 mosaicos que nunca se repetem. O piso foi executado com a assinatura de Novy conceituado em Génova, Itália.

As paredes con uma altura de até 2.5 m, alinham-se com serpentina verde italiana, que também foi utilizada para fazer a plataforma erigida diante do iconóstase e os bancos talhados nas paredes. A pedra para as paredes, soleira, e os bancos foi executada em Nápoles em 1905. As bases dos quatro pilares centrais se confrontam em labradorite.

A pedra colorida no iconostase foi trabalhada por artesãos da firma de Novy baseadas nos modelos de Stepanov. A paleta do mármore é única: vermelha e castanha no fundo, que se torna cada vez mais clara no sentido ascendente, e é uma reminiscência da talha de madeira.

Depois da igreja ter sido encerrada em 1930, o seu trabalho de pedra magnífico foi descuidado. Não houve aquecimento na igreja durante mais de 50 anos. O cerco a Leninegrado teve um efeito particularmente negativo na igreja. O trabalho para restaurar as muralhas começou em 1977 e terminou em 1995, e levou-se a cabo apenas durante as estações quentes do ano. O trabalho de pedra interior foi restaurado pelas equipas de Shcherbakov e Rádchenko (a Associação de Restauro) desde 1980 até 1994.

Os mosaicos são de suma importância na decoração da Igreja da Ressurreição, formando uma das maiores coleções de mosaicos monumentais da Europa. Entre os concorrentes para efetuar a construção dos mosaicos estavam várias firmas italianas, como a oficina veneziana de Antonio Salviatti e Società musiva, a firma alemã Puhl e Wagner, e o departamento de mosaico da Academia de Artes da Rússia. A vencedora do concurso foi a oficina de Aleksandr e Vladimir Frolov, uma empresa privada fundada em 1890. Desde 1896 até 1907 os seus mestres, especialistas no uso da reversa o técnica veneziana, embutiram mais de 600 mosaicos de Ícones e imagens com uma área total de 7.056 metros quadrados. Os esboços para os mosaicos foram criados por 32 artistas, entre eles Viktor Vasnetsov, Mikhail Nesterov, Andréi Ryábushkin, Vasili Belyáev e Nikolái Jarlámov.

Os mosaicos estão organizados em linha com o conceito teológico da igreja. A cobertura da cúpula está revestida com a imagem em mosaico de Cristo Pantocrator.

Na parte central da igreja, nas paredes e abóbadas há representações de cenas da Bíblia, que vão desde a natividade até à Assunção de Cristo. Os pilares da cúpula apresentam mais de 200 imagens de ícones dos partidários da igreja, – os homens veneráveis, mártires e apóstolos. O caráter especial da igreja introduz algumas mudanças no desenho dos interiores. Há dois pontos fulcrais na igreja: na extremidade oriental – o altar com uma imagem de Cristo e no extremo oeste – a cobertura sobre o local do assassinato, rodeado de imagens de mosaico de temas do drama do Calvário.

O programa iconográfico reflete também a história local através de imagens dos santos russos, entre os quais o Príncipe Vladimir de Kiev e a princesa Olga, os príncepes mártires Boris e Gleb, Mikhail de Chernigov, o nobre Fedor, e Alexandre Nevsky. Os mosaicos foram sujeitos a um restauro de 1980 a 1994. Uma equipa de restauradores dirigidos pelo artista de mosaico e pintor Shershnev, limpou, restaurou e recreou os fragmentos perdidos e, portanto, se revitalizou a coleção única de mosaicos russos monumentais que datam de finais do século XIX – XX.