Localizadas em ambos os lados da fronteira da Polônia com a Eslováquia, as montanhas Tatra fazem parte dos Cárpatos, uma grande cordilheira que forma um arco desde a Romênia, passando pela Ucrânia, Eslováquia e Polônia. É o setor mais alto dos Cárpatos. Na Polônia, um país bastante plano, as Tatra são adoradas. Em qualquer época do ano, os percursos das Tatra são feitos por turistas de todos os cantos da Polônia e do estrangeiro.

A maior parte e os picos mais altos da cordilheira estão situados na Eslováquia; os maiores lagos destas montanhas podem ser encontrados na Polônia. O pico mais alto das Tatra é o Gerlachovský štít, (anteriormente chamado de pico Franz Joseph) e está a 2.655 metros de altitude, na Eslováquia. O Rysy, na altitude de 2.499 metros, é o pico mais alto da Polônia (na fronteira polaco-eslovaca).

As Tatra polacas albergam mais de 700 grutas e cavernas perfazendo um total de mais de 100 quilômetros. A gruta mais profunda da Polônia, chamada de Jaskinia Wielka Śnieżna tem mais de 800 metros de profundidade e estende-se por 23 quilômetros e a mais elevada Świnicka Koleba (2250 metros do nível do mar) bem como o horizonte mais extenso, a câmara subterrânea mais larga e o maior lago subterrâneo, Wielki Kłamca com mais de 70 metros de largura.

Esta região é muito conhecida por ser uma área de esportes de inverno, a capital de inverno da Polônia.

As Montanhas Tatra são consideradas por divisões:
Tatra Ocidentais.
Tatra Orientais: Tatra Altas [com seus 24 (ou 25) picos acima de 2.500 metros de altitude, são, juntamente com os Cárpatos do Sul, a única cordilheira com uma característica alpina em todos os 1.200 km de extensão dos Cárpatos].
Tatra Belianske.
Tatra Baixas : situadas ao sul. Algumas vezes, porém, o termo ‘Tatra’ é usado livremente para se referir tanto às Tatra, propriamente ditas, quanto às Tatra Baixas.
O Parque Nacional das Tatra Eslovacas foi fundado em 1949 e o contíguo Parque Nacional das Tatra Polacas foi fundado em 1954. As duas áreas juntas entraram para a lista de Reservas da Biosfera da UNESCO em 1993.Na região desses parques se encontram espécies como o urso-pardo, o antílope, lobo, lince, marmota, veado, castor, cabra montesa e muitos outros animais incluindo roedores e aves de rapina. O progresso trouxe também a indústria do turismo e os estrangeiros bem como os pontos positivos e negativos. Os mais de três milhões de visitantes anuais no sul da Polônia entre os quais milhares de alpinistas têm sido motivo de preocupação das autoridades. Existem aqueles que respeitam o meio ambiente outros há que são incivilizados ao ponto de não zelarem pela sua própria segurança especialmente nos meses de invernia quando há risco de avalanches.Outro fator de preocupação são os ataques de lobos, ursos e linces às ovelhas e ao gado e a lei não permite o abate de espécies protegidas como, por exemplo, o urso pardo, o lobo e o lince polaco. Na realidade os animais estão no seu habitat natural e o homem tem sido o grande invasor. Foi por isso que o bisonte foi extinto na Europa.
Estragos ecológicos:
Em 19 de novembro de 2004, uma grande porção de florestas na parte sul das Tatra Altas foi devastada por uma forte ventania de mais de 100 mph. Três milhões de metros cúbicos de árvores foram arrancadas, duas pessoas morreram e muitas aldeias nas Tatra Altas foram destruídas. Esta floresta sofreu ainda mais danos após o incêndio florestal que se seguiu e a ecologia local levará muitos anos até se recuperar totalmente.